Quando será o arrebatamento?

Aproveitamos a falácia sobre o anunciado fim do mundo para 21 de dezembro de 2012 para mostrar que o mundo não só não vai acabar, como também não estamos autorizados a marcar datas para “o Apocalipse”, a segunda vinda de Cristo e principalmente o arrebatamento. Até mesmo porque vimos como funciona a doutrina da iminência, na qual o arrebatamento está incluso. Sabemos que ele ocorrerá, com certeza, porque a Bíblia assim diz, e que logo após se iniciará o juízo de Deus sobre a Terra, chamado de Tribulação ou Grande Tribulação.
É nesse período que ocorrerá a maioria dos eventos narrados em Apocalipse, portanto, os cristãos não precisam se preocupar com eles. Todos esses artigos aqui publicados servem apenas para alertar que a época está próxima, conforme podemos ver pelos sinais que Jesus informou previamente. O que nos cabe é esperar o momento em que a trombeta tocará, nos chamando para subir (Apocalipse 4:1).
Lemos em I Tessalonicenses 1:10:  “…e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura”. De que ira se trata aqui? Da ira de Deus que começará com a Grande Tribulação, pois ela será o juízo de Deus sobre o mundo de incredulidade e maldade. É o que lemos em Apocalipse 6:15-17: “Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos, e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos dos montes, e disseram aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono, e da ira do Cordeiro, porque chegou o grande dia da ira deles; e quem é que pode suster-se?”
A Igreja de Jesus será preservada dessa ira do Senhor, que terá seu início no tempo da Grande Tribulação. Pois, como filhos de Deus, já estivemos sob a ira de Deus e Seu juízo: isso aconteceu na cruz do Calvário, onde o Senhor Jesus tomou vicariamente sobre si nosso juízo e a ira de Deus. Por isso, todo homem que pertence a Jesus está justificado diante de Deus e não passará pela Grande Tribulação, nem pelo Juízo Final. Está dito em I Tessalonicenses 5:9-10: “…porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo, que morreu por nós para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos em união com ele”.
Alguns autores, como o respeitado Russell Shedd, acham que a Igreja passará pela tribulação, como uma forma de “purificação”. Segundo pensam, quando Jesus afirma que “o evangelho do reino será pregado a todas as nações”, “então virá o fim”. Segundo esse raciocínio, logo em seguida “aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória”. Afirmam que nesse momento aconteceria o arrebatamento e os crentes, logo após subirem para encontrar com o Senhor nos ares, retornariam imediatamente para a batalha do Armagedom. Ora, todo este arrazoado está equivocado, por uma simples razão. O sermão profético registrado em Mateus 24 e 25 foi dito a Israel e aos judeus, e não à Igreja, a qual na ocasião ainda era um mistério oculto em Deus, e não havia ainda sido estabelecida (o que só ocorreria em Atos cap. 2). Para mais detalhes dessa exposição, leia aqui. Além do mais, tal teoria não dá tempo hábil para as bodas do Cordeiro e para o julgamento das obras dos crentes, cf. I Coríntios cap. 3.
As bodas do Cordeiro têm uma bela ilustração na história do casamento de Isaque: depois que Eliézer (símbolo do Espírito Santo) traz Rebeca (símbolo da Igreja) até Isaque (símbolo de Jesus), este sai de sua tenda (símbolo do céu), vem ao encontro dela no meio do caminho, e depois de recebê-la, leva-a para habitar consigo. Cf. Gênesis 24.
Que o arrebatamento ocorrerá antes da Grande Tribulação também é mostrado na história de Gideão. Lemos em Juízes 7:19-20: “Chegou, pois, Gideão, e os cem homens que com ele iam, às imediações do arraial, ao princípio da vigília média, havendo-se havia pouco trocado as guardas; e tocaram as trombetas, e quebraram os cântaros, que traziam nas mãos. Assim as três companhias tocaram as trombetas e despedaçaram os cântaros; e seguravam nas mãos esquerdas as tochas e nas mãos direitas as trombetas que tocavam; e exclamaram: Espada pelo Senhor e por Gideão!”
As trombetas e os cântarosquebrados são uma figura da transformação e do arrebatamento. “Ao princípio da vigília média” é o tempo em torno da meia-noite. Em Mateus 25:6 lemos: “Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! saí ao seu encontro”. Sabemos que, em nossos dias, nos aproximamos dessa hora da meia-noite. Os sinais dos tempos e Israel apontam para isso claramente. Trata-se também do tempo em que o mundo das nações está colocando “guardas” contra Israel, como os midianitas o fizeram naquela época (Juízes 7:19). Isso levará, no final das contas, à batalha dos povos em Armagedom, no final da Tribulação.
Atualmente, Israel está perdendo cada vez mais sustentação. A conquista de Jerusalém e a destruição de Israel continuam fazendo parte do plano dos inimigos do povo de Deus. Mas antes desse último período anticristão será ouvida a trombeta de Deus e a Igreja de Jesus será arrebatada.
O que acontecerá com os crentes por ocasião do arrebatamento? Um grande milagre: seremos libertados da nossa carne, ou seja, do nosso corpo terreno. I Coríntios 15:52-53 descreve assim esse momento: “…num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade”.
Somente então, depois do arrebatamento, estaremos livres do pecado. Não será mais possível pecar, mas em nós resplandecerá exclusivamente a clara luz da obra de Jesus Cristo e todos nos amaremos uns aos outros. Não será maravilhoso estar finalmente liberto da carne pecaminosa? Pois, quantas vezes já choramos por causa do pecado que em nós habita? Quanto trabalho já nos deu nossa carne pecaminosa, a nós que queremos andar no Espírito?
Também Paulo chorou por isso e testemunha em Romanos 7:18: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum. Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros”.
Enquanto vivermos, o espírito e a carne estarão em constante confronto. Por isso, é tão importante ficar cheio do Espírito (Efésios 5:18), andar no Espírito e deixar que o Espírito nos governe. Nossa carne é receptiva para o pecado, e também para a enfermidade e a morte. Isso acabará no momento do arrebatamento, quando formos transformados e recebermos um corpo espiritual, quando o mortal se revestir da imortalidade (I Coríntios 15:54).
E essa transformação por ocasião do arrebatamento, ao soar da trombeta, pode ser vista alegoricamente no caso de Gideão. Os homens mantinham a luz das tochas escondidas dentro dos cântaros. Mas no momento em que começaram a tocar as trombetas, os cântaros foram quebrados e as tochas iluminaram tudo. Isso é uma alegoria do arrebatamento. A luz de Cristo ainda está escondida em nosso corpo, pois somos como cântaros (vasos) que carregam em seu interior a luz do Evangelho. O Senhor Jesus é a luz do mundo, e disse àqueles que O aceitaram: “Vós sois a luz do mundo” (Mateus 5:14). Por enquanto essa luz ainda é escondida pelo vaso da nossa carne. Mas, no momento em que a trombeta de Deus tocar, nosso corpo será transformado e seremos arrebatados ao encontro do Senhor Jesus, para estarmos com Ele para sempre.
Então, tudo será somente luz. Tudo resplandecerá em Sua glória. Não haverá mais pecado, porque o vaso da nossa carne não estará mais presente. Em 1 Coríntios 15.50 está escrito que “carne e sangue não podem herdar o reino de Deus”. Por isso, seremos transformados, pois o cântaro do nosso corpo tem que ser quebrado. Somente por ocasião da transformação e do arrebatamento se tornará visível o que a Bíblia diz em Mateus 13:43: “Então os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai”.
É por isso que não devemos dar atenção aos anunciados “fins do mundo”, calendários maia, asteca, tibetano e o que mais vier. Somente precisamos ter em mente que a trombeta pode soar a qualquer instante, sem aviso, e esta é a razão de estarmos sempre atentos para não sermos deixados para trás.
Com base no livro Gideão – Uma Mensagem de Alerta.

191551

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *