Professora cristã é morta em Mossul, no Iraque

Professora cristã é morta em Mossul, no Iraque

Shdha Elias, de 54 anos, era professora cristã de caldeu
 
 
Shdha Elias era professora cristã de caldeu (os caldeus formaram, em 612 a.C., um novo Império que teve como capital a Cidade da Babilônia). As tensões entre sunitas e xiitas estão em ascensão na cidade à medida que uma solução real para a paz e reconciliação nacional não parece possível. O Iraque ocupa a 4ª posição na Classificação de Países por Perseguição.

Há algumas semanas, a polícia de Mossul encontrou o corpo de uma mulher cristã, com sérios indícios de violência sem motivo aparente. Isto ocorreu em uma área onde, no passado, foram cometidos ataques brutais e gratuitos contra membros da comunidade cristã da cidade, alguns como o líder religioso Faraj Rahho, que foi raptado e Ragheed Ganni, assassinado.

À agência de notícias AsiaNews, fontes reconheceram a vítima como sendo Shdha Elias, professora de 54 anos de idade, que ensinava caldeu “em uma escola no bairro de al Bath.” Ela “vivia, no entanto, em Bar Nirgal, perto da universidade”. Com sua morte, ela se junta “à longa lista de mártires cristãos em Mossul.”

Segundo uma das fontes consultadas, “as tensões entre sunitas e xiitas estão em alta em todo o Iraque, não apenas no Norte do país, porque a paz e a reconciliação nacional parecem muito distantes.”

Mossul é um reduto sunita do wahabismo (movimento religioso ultraconservador do islamismo), que está intimamente ligado à Arábia Saudita (2º colocado na Classificação de Países por Perseguição). Para especialistas em política iraquiana, o objetivo é “a criação de um Estado baseado na Sharia (lei islâmica),” com o Alcorão e a Sunnah como a base da legislação e o “Islã como religião do Estado apenas”. Em tal sistema, os membros de outras religiões podem escolher entre converter-se, fugir ou pagar seus impostos a não muçulmanos.

No norte do Iraque, cristãos têm sido alvo de assassinato e sequestro com a finalidade de extorsão. Eles também foram apanhados no fogo cruzado entre árabes, turcomanos e curdos, que disputam o poder e o controle dos recursos das áreas ricas em petróleo.

Em dez anos de conflito, a comunidade cristã perdeu mais da metade de seus membros em um êxodo (fuga) de “proporções bíblicas”, na sequência de uma série de assassinatos.

Um cristão, oficial do governo de Mossul, anônimo por razões de segurança, confirmou que “muitas famílias cristãs” fugiram da cidade. “Eles perderam a confiança em tudo”, disse ele. “O governo é incapaz de fazer qualquer coisa para protegê-los. Que futuro, não muçulmanos têm, em um país onde a violência tem rédeas soltas?” 

Ore pelos cristãos no Iraque!


Fonte: Portas Abertas
 

Compartilhar é se importar!

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *