Comissão dos EUA exige libertação imediata do pastor iraniano Saeed Abedini dias antes do julgamento

Comissão dos EUA exige libertação imediata do pastor iraniano Saeed Abedini dias antes do julgamento

A Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) se uniu às solicitações para a libertação de pastor americano Saeed Abedini, que está programado para ser julgado e, possivelmente, enfrentará a pena de morte no Irã na próxima semana.

“As acusações feitas contra a segurança nacional do Sr. Abedini são falsas e são uma tática típica do governo iraniano para mascarar o verdadeiro motivo para as acusações: de suprimir a crença religiosa e a atividade de que o governo iraniano não aprova. O USCIRF insta o governo iraniano a libertar o Sr. Abedini imediata e incondicionalmente”, escreveu Katrina Swett Lantos, a presidente da comissão criada pelo Congresso.

Cidadão dos EUA, de 32 anos, que nasceu no Irã, mas se converteu ao Cristianismo, com a idade de 20, depois se casar com sua esposa americana Nagmeh, o pastor Abedini tem sido alvo por parte das autoridades iranianas por ajudar igrejas clandestinas no Irã e por seu trabalho de caridade estabelecendo orfanatos. Ele foi advertido e detido por autoridades iranianas antes por seu trabalho, mas foi preso em julho de 2011, quando as autoridades mais uma vez o apreenderam, durante uma de suas viagens da América para o Irã. Ele está atualmente detido na prisão de Evin, em Teerã.

Seu advogado recebeu o arquivo de tribunal no início desta semana, que revelou que o pastor dos EUA está pronto para ser julgado o mais cedo na segunda-feira, 21 janeiro – dando a seu advogado muito pouco tempo para se preparar para o que muitos estão chamando de julgamento “fantoche”. Abedini expressou os temores que ele poderia receber a pena de morte depois que foi revelado que o seu caso foi transferido para um “juiz de enforcamento” notório que a União Europeia tem nomeado como um indivíduo sujeito a sanções por violações de direitos humanos por condenar um número de ativistas de direitos humanos à morte.

A acusação que as autoridades fizeram contra Abedini aparentemente remete a 2000, quando o pastor se converteu ao Cristianismo, e alega que ele “pôs em perigo” a segurança nacional do Irã. O Centro Americano de Lei e Justiça, que está representando a esposa e dois filhos que estão nos EUA, disse que era “uma acusação típica trazida pelo regime radical islâmico contra os que deseja perseguir por suas crenças religiosas. Seu arquivo do tribunal indicou que esta acusação de segurança nacional foi diretamente relacionada ao seu trabalho a partir de um movimento de igrejas domésticas no Irã”.

“O juiz Pir-Abbassi é notório por conduzir de julgamentos rápidos e impondo longas penas de prisão, bem como a pena de morte, sem qualquer aparência de processo legal,” Swett acrescentou na declaração do USCIRF, referindo-se ao “juiz do enforcamento” em questão.

O ACLJ ainda lembrou os cidadãos preocupados que apesar do presidente Barack Obama e o resto dos EUA terem marcado o Dia Nacional da Liberdade Religiosa em 16 de janeiro, os pastores como Abedini e muitas outras pessoas de fé permanecem presos com base em acusações duvidosas, e o Departamento de Estado tem de intervir e fazer todo o possível para ajudá-los em seu sofrimento.

“Hoje, nós também lembramos que a liberdade religiosa não é apenas um direito americano, é um direito humano universal a ser protegido aqui em casa e em todo o mundo. Esta liberdade é uma parte essencial da dignidade humana, e sem ela o nosso mundo não pode conhecer uma paz duradoura”, escreveu Obama em um comunicado em 16 de janeiro.

O ACLJ diz que mais de 100.000 pessoas assinaram uma petição para o Congresso dos EUA pedindo para Hillary Clinton, secretária de Estado, se pronunciar pessoalmente pela libertação do Pastor Abedini.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *