Biblioteca digital com os manuscritos do Mar Morto aberta a todos

Biblioteca digital com os manuscritos do Mar Morto aberta a todos

Fonte de notícia: HAARETZ

A Israel Antiquities, órgão do governo de Israel responsável pelos lugares arqueológicos, em colaboração com o Google e com a tecnologia da NASA acabou de colocar na rede uma biblioteca digital com os famosos textos do Mar Morto.
A biblioteca, no momento, conta com cerca de 4000 fotos feitas com infra vermelho desde a descoberta dos manuscritos a partir de 1949. Além dessas fotos há cerca de 1000 fotos feitas nos laboratórios da NASA.
As fotos não mostram simplesmente o texto, mas até mesmo as dobras, as margens queimadas e as manchas de tintas. A tecnologia usada, além disso, permite fotografar também as letras invisíveis a olho nu.
O objetivo do projeto não é apenas disponibilizar ao público os manuscritos, mas preservá-los para o uso das gerações futuras. Até hoje, cerca de 30 mil fragmentos conservados nos depósitos da Israel Antiquities foram escaneados com uma técnica especial colocada à disposição pela NASA. Daqui a 3 anos, todos os manuscritos escaneados serão disponíveis no site.
O site web (http://www.deadseascrolls.org.il), em inglês, permite aprofundar o conhecimento dos rótulos do Mar Morto o do seu conteúdo, oferecendo notícias históricas dos manuscritos. Uma linha do tempo, com fotografias dos manuscritos mais importantes da época e notícias sobre os locais onde os rótulos foram encontrados também são disponibilizadas. É possível ainda examinar cada manuscrito, bíblicos ou não bíblicos, divididos por locais, por língua ou por conteúdo.
Cada manuscrito é mostrado em original, sem tradução. A foto tem altíssima resolução e é possível fazer o zoom para ver os detalhes, como se tivêssemos diante de nós o manuscrito. Tudo isso, até agora, era previlégio de quem podia ter acesso físico ao depósito dos manuscritos, previlégio de poucos cientistas.
Tudo isso, para quem não conhece o hebraico ou aramaico, é somente espetacular. Para os estudiosos, invés, é uma pérola.
Leia mais sobre Qumrãn

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *