Pode o ímpio prosperar no Senhor

Pode o ímpio prosperar no Senhor

Pode o ímpio prosperar no Senhor

Há alguns anos atrás, conversando com um amigo, ele fez um comentário interessante dizendo que não conseguia entender por que via tantos homens ímpios e maus prosperando, enquanto outros não tão ruins estavam a ver navios. Para ele, o ímpio prosperava mesmo fazendo o mau, mesmo perseverando em seus maus caminhos. Ele tinha um pensamento que nos faz lembrar do profeta Jeremias que disse: “Por que prospera o caminho dos perversos…?”


O meu amigo não é o único a fazer esta pegunta, além dele podemos ler o que disse Jeremias, e ainda vemos que nas próprias Escrituras esta pergunta não se limitou ao profeta Jeremias, nós também podemos ver um pensamento semelhante no livro de Jó, quando lemos que “As tendas dos bandidos gozam de paz; segurança para aqueles que provocam Deus, que não têm outro Deus senão o próprio braço.” (Jó 12:6). Aqui, aparentemente o ladrão tem paz e segurança, porém é muito enganoso pensar assim, por que tal paz e segurança são falsas e enganadoras. Uma outra tradução desta mesma passagem de Jó, diz; “As tendas dos saqueadores não sofrem perturbação, e aqueles que provocam a Deus estão seguros, aqueles que transportam o seu deus em suas mãos”. Esses tem o ‘deus’ deles nas mãos, ou seja, seu objeto de roubo, o dinheiro ou o bem alheio, os quais ainda se gabam de ter conseguido lograr êxito em seus desejos, mas serão abatidos em breve. Entretanto, outras passagens bíblicas afirmam que o ímpio não prospera; que, ao contrário, “a desventura persegue os pecadores” (Prov. 13:21) e que “o infortúnio matará o ímpio” (Sal. 34:21).


Haveria alguma contradição entre esse texto dos Salmo 34:21 e Jeremias 1:6?

Jeremias está falando da prosperidade temporária, de que o ímpio frequentemente desfruta. A natureza transitória de sua prosperidade, entretanto, é devida à longanimidade de Deus, por ele protelar o juízo em favor da sua misericórdia, na esperança de arrependimento (II Pe 3:9).

O salmista Asafe afirma que os seus pés quase se desviaram por que tinha inveja dos néscios, homens arrogantes que prosperavam em sua impiedade. Para ele, tais homens não passavam por sofrimento algum e eram fortes e saudáveis e ainda aumentavam suas riquezas com vigor. Asafe parecia não entender o que levava o ímpio a ter tanto êxito em seus EMPREENDIMENTOS, parecendo, inclusive, inútil para ele purificar o seu coração, até que ele procurou entender os propósitos de Deus diante de tudo isso. Ele disse: “Até que entrei no santuário de Deus, e então compreendi o destino dos ímpios”. Mesmo que eles viessem a prosperar, o destino dos homens maus não é bom, eles não tem firmeza e cairão em ruínas, todos serão destruídos, sua glória é passageira.

Depois que entrou na casa de Deus, entendeu que seu pensamento era de quem nada sabia, ele estava pensando baixo, pois quem confia no Senhor tem a verdadeira recompensa. Ele, o salmista, confiava no Senhor, por isso seria recebido com honras; mas o ímpio, o seu fim seria terrível (Sal. 73:17-28). Ou seja, prosperou em vão.

Quando a Bíblia fala que Deus mata o ímpio, não quer dizer que isso sempre ocorra de imediato, mas que por fim acontecerá. Assim entendidas, realmente não há conflito entre essas passagens e o meu amigo não ficou sem resposta. Ou seja, ainda que o ímpio prospere em seus caminhos, por fim perecerá.

Bibliografia:
GEISLER, Norman; HOWE, Thomas. Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e “Contradições” da Bíblia. 1ª Ed. São Paulo: Mundo Cristão, 1999.

DAVIDSON, F. O Novo Comentário da Bíblia. 3ª Ed. São Paulo: Ed. Vida Nova, 1990.

HENRY, Mattew. Comentário Bíblico de Mattew Henry: 4ª Ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *