PALAVRA PASTORAL

Às vezes é bom rever alguns conceitos e reflexões.  Trazendo-os novamente à memória não somente realimentamos nossa alma com verdades que podem ter ficado esquecidas no emaranhado da vida, como também podemos extrair novas lições de velhos conceitos.   Assim trago hoje uma reflexão que foi escrita para a capa do boletim de nossa igreja em 01/08/2004.  Ela foi baseada em Isaías 43:1-13.  E a imagem aí não é da época.  A foto foi tirada por John Santana durante a celebração da primeira Ceia do Senhor em 2013 no templo da PIBA.
 
O texto parece uma declaração apaixonada que o Senhor dá sobre ele mesmo e sobre o seu povo.  Vejamos os destaques:
No verso 11 Deus diz: “Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há salvador”.  Aqui temos a afirmação da absoluta exclusividade de nosso Senhor.  Sempre é proveitoso reafirmar que o nosso Deus é único e não divide sua glória com ninguém.  Toda a Bíblia clama pela singularidade de Deus.  Só há adoração e culto quando há o reconhecimento de que nosso Deus – com o seu Filho e o Santo Espírito – é único.
Desta compreensão da exclusividade divina advém então a observação de nosso papel como seres humanos dentre a obra criada.  É o próprio Deus quem afirma que estamos entre os que “criei para minha glória, e que formei, e fiz” (v. 7).  Em primeiro lugar, não resta dúvida que somos apenas criação de Deus e tudo o que somos deve estar subordinado a esta certeza.  Mas o texto é claro quando aponta o objetivo da criação:  fomos criados para a exclusiva glória de Deus, e debaixo desta ordenação, todos os planos humanos devem sucumbir.  Fomos criados e existimos somente para a glorificação de Deus!
Não nos esqueçamos que tudo o que somos só terá alcançado os verdadeiros propósitos se forem para a glória de Deus.  Aleluia!

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *