Mais um absurdo da igreja católica

Mais um absurdo da igreja católica

O papa Francisco balançou algumas mentes ao declarar que todos foram redimidos através de Jesus, incluindo ateus. Durante sua homilia na Missa de quarta-feira (22) em Roma, ele enfatizou a importância de “fazer o bem” como um princípio que une toda a humanidade, e uma “cultura de encontro” para apoiar a paz. Usando um texto do evangelho de Marcos, o papa explicou como os discípulos de Jesus ficaram desapontados quando alguém fora de seu grupo estava fazendo o bem, de acordo com relatório da rádio do Vaticano. “Eles reclamam”, disse o papa em sua homilia, porque dizem: “Se ele não é um de nós, não pode fazer o bem. Se não é do nosso grupo, não pode fazer o bem.” E Jesus os corrige: “Não o proíbam, deixem-no fazer o bem.” Os discípulos, explica o papa, “eram um pouco intolerantes”, ensimesmados na ideia de possuírem a verdade, convictos de que “aqueles que não têm a verdade não podem fazer o bem”. Isso estava errado… Jesus amplia o horizonte. Segundo o papa, “a raiz da possibilidade de fazer o bem – que todos nós temos – é a criação”.

O papa Francisco disse ainda mais em seu sermão: “O Senhor nos criou a sua imagem e semelhança, e todos somos imagem do Senhor, e ele faz o bem e nos deu a todos esse mandamento em nossos corações: façam o bem e não o mal. Todos.” “Mas, padre, isso não é católico! Ele não pode fazer o bem.” Sim, ele pode. O Senhor redimiu a nós todos, a todos, pelo sangue de Cristo: todos nós, não apenas católicos. Todos! “Padre… os ateus também? Mesmo os ateus?” Todos! Devemos encontrar-nos fazendo o bem uns aos outros. “Mas eu sou um ateu, padre. Eu não acredito…” “Faça o bem: nos encontraremos lá.”

O papa Francisco segue determinado em sua campanha por recuperar a imagem arranhada da Igreja Católica. Seus esforços ecumênicos têm sido notórios. Agora, fica clara, também, sua intenção de afagar o grupo dos descrentes. Ao citar Marcos e a indignação dos discípulos com o outro pregador que não pertencia ao círculo deles, o papa parece se esquecer de que o relato diz que aquele homem curava e pregava em nome de Jesus (cf. Mc 9:38-40). Ele não apenas fazia o bem; ele era um cristão que cria em Jesus e, portanto, realizava suas obras nEle e em nome dEle. Não há espaço para relativismos aqui. Evidentemente que Jesus morreu por toda a humanidade, mas isso não significa que toda a humanidade será salva. A arca de Noé permaneceu muitos anos com a porta aberta para que todo aquele que nela entrasse pudesse ser salvo. Mas quem não entrou acabou perecendo. Basta ler o clássico texto de João 3:16 para perceber que “todo aquele que nEle crer” é que será salvo.

A graça de Deus é incompreensível e Ele fará tremendos esforços para salvar todo aquele que responder à Sua oferta de salvação. Deus levará em conta a “luz” a que cada um teve acesso e a maneira como respondeu a esse conhecimento, mas a salvação sempre será resultado da graça. O apóstolo Paulo diz: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2:8, 9). Ser bom é muito bom, mas não é tudo. É claro que existem muitos ateus bons que fazem boas obras (e, lamentavelmente, muitos crentes maus que nada fazem), mas não é isso o que determina a salvação. O papa não pode “passar a mão na cabeça” dos descrentes e dizer que, independentemente do que eles façam ou deixem de fazer, receberão (pior, conquistarão) a vida eterna. A vida eterna não se conquista. Jesus a conquistou para nós a um alto preço: Sua própria vida. Pensar que se pode “herdar” o Céu é minimizar o sacrifício do Filho de Deus. O papa quer agradar os ateus, mas, com isso, minimiza a necessidade de eles aceitarem a salvação em Cristo.
Fonte: Blog Universo Universal
Minha Opinião

Tito 3:5
5 – Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo,

O Papa tenta acabar com toda a doutrina cristã, pois se fosse pela obra, todo rico caridoso entraria no reino dos céus, porém o pobre impossibilitado de fazer o “bem”, seria então condenado. Ele absolveu até os ateus, isso é um absurdo é anátema, como os católicos não creem na bíblia, pois fazem ao contrário ao que ela apregoa. Agora surge mais esse absurdo. A bíblia diz, não adoreis escultura, não adorará outros Deuses, sede santo pois Jesus é santo. A igreja católica adora escultura, venera Maria, cultua a santos e não ensina a santidade aos fiéis. Agora é pelas obras que somos salvos? Meu caro Papa é pela graça e pela misericórdia, alcançados por uma vida entregue a cristo, chegando a Deus através da vida de Jesus, descrito na bíblia. No mais seja anátema.

Pastor Júlio Fonseca.

IDA – Igreja de Deus em Anhanguera/Go.

Compartilhar é se importar!

One comment

  • Arlene

    Pastor porque ficar pregando contra o papa? Ele não fica falando mal das demais religiões. Não seria melhor cada um fazer o seu trabalho e deixar que as pessoas por análise e reflexão decida que caminho seguir? Cumpra sua missão sem necessidade de julgar o próximo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *