As últimas da Ida Gospel
Capa 5 Dinâmicas de Grupo 5 Gincanas Gospel 50 dinâmicas para competição

Gincanas Gospel 50 dinâmicas para competição

gincanas-gospel-50-dinamicas-para-competicao

gincanas-gospel-50-dinamicas-para-competicao

Gincanas Gospel 50 dinâmicas para competição

 

  1. Quem sou eu

 Objetivo: apresentação e entrosamento

Material: papel, lápis, e lápis de cor.

Desenvolvimento: cada um deve retratar num desenho como é sua vida, pode-se desenhar algo marcante.

Exemplo: Seu trabalho, sua família, seu estudo, etc…

Dar um tempo para este trabalho individual que deve ser feito em silêncio, sem nenhuma comunicação, pois cada um não deve ser influenciado.

Num segundo momento as pessoas se reúnem num grupo em forma de circulo, se a quantidade de participante não for tão grande ou subgrupos se houver várias pessoas e se apresentam dentro do circulo dizendo o nome, de onde vem, mostrando o seu desenho explicado-o e dizendo porque escolheu fazer este desenho de sua vida.

As pessoas ficam a vontade para fazerem comentários e/ou perguntas.

 

Termino:

O ministrador diz que ele agora não está só, pois somos um em Cristo Jesus, e que ele pode contar com o apoio de todos.

Palavra de Deus:

Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram; Romanos 12:15

  1. Mancha ou ponto

Objetivo: refletir sobre a vida e sobre a gratidão…

Material: um

a folha branca com um ponto escuro ou mancha, bem no centro da mesa.

Desenvolvimento: mostrar ao grupo a folha com o ponto ou mancha no centro.

Depois de um minuto de observação silenciosa, pedir que se expressem descrevendo o que viram.

Provavelmente a maioria se deterá no ponto escuro.

Fazer a explicação: geralmente nos focamos apenas nos aspectos negativos dos acontecimentos, esquecendo-nos do seu lado luminoso que, quase sempre, é maior.

Se o ponto negro fosse seu problema todo o restante seria a presença de Deus ao redor.

 

Palavra de Deus: Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo.1 João 4:4

 

  1. Identificação Pessoal com a Natureza

Objetivos: Conhecer o poder de Deus na criação
Material: Símbolos da natureza, papel e caneta.
Desenvolvimento:
Pegar de 5 a 10 imagens de paisagens destacando as estações do ano e regiões distintas. Cada imagem tem um número.

  1. Contemplação da natureza. Cada um procura um elemento na natureza ou a imagem que mais lhe chama a atenção e reflete.

Depois deve descrever numa folha porque o escolhi? O que ele me diz?
2. Formação de pequenos grupos ou um único grupo para comentar sobre as imagens.
4. Ao final todos devem orar agradecendo a Deus pela vida e pelas maravilhas que ele criou para nós.

Palavra de Deus: E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra. Gênesis 1:26

  1. Minha vida é ???

Objetivo: Conhecimento Pessoal
Material: papel e caneta
Desenvolvimento:

Escrever numa folha de papel algumas reflexões.
1. Como eu sou?
– Ressalte suas qualidades e defeitos.

2. Como as pessoas me vêem?
– As pessoas no meu ambiente de trabalho
– As pessoas da minha família
– As pessoas da igreja.

– As pessoas da minha escola ou outros ambientes de convívio.

  1. Como eu deveria ser?

A últimas questão deverá ser feito depois que todos tiverem terminado.

  1. Como Deus gostaria que eu fosse?

Concluindo: Fazer um grupo e deixar que todos falem sobre suas conclusões.

Palavra de Deus:

E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. Gênesis 1:27

  1. O outro Lado

Objetivos: ver o objetivo comum do grupo. Processo de comunhão e união. Análise da realidade.

Desenvolvimento: (não dizer o objetivo da dinâmica).

O coordenador pede a todos que se coloquem no fundo da sala ocupando toda parede. Pede silêncio absoluto, muita atenção para a ordem que vai ser dada e que sejam rigorosamente fieis a ela. Deve manter silêncio durante a dinâmica.

A ordem é a seguinte: Vocês deverão procurar como grupo, atingir o outro lado da sala, da forma mais rápida possível e mais eficiente.

Repete-se a ordem várias vezes. Até que todos cheguem juntos.

O coordenador dirá que a ordem não foi cumprida, pede ao grupo que recomece. Repita a ordem várias vezes, pedindo que haja silêncio.

NOTA: É bom que haja obstáculos pelo meio da sala (cadeiras…) dificultando a passagem. Ele considerará a tarefa cumprida quando julgar que o grupo se aproximou do ideal alcançando o outro lado unido, obedecendo ao ritmo um dos outros, tendo incluindo todos na travessia.

Em seguida fazer comentários sobre tudo que observaram e sentiram:

– Como cada um se sentiu?

– Quem se sentiu esmagado e desrespeitado?

– Quem ais correu ou empurrou?

– De que forma as lideranças foram se manifestando???

– Houve desistência no meio do caminho?

– Surgiram animadores???

Palavra de Deus:
Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também. 1 Coríntios 12:12

  1. Espelho

Objetivo: Partilha dos sentimentos.

Desenvolvimento: O ambiente deve ser silencioso.

Cada um deve pensar em alguém que lhe seja muito importante, aquém gostaria da atenção em todos os momentos, alguém que se ama de verdade, que merece todo cuidado.

Pensar nos motivos que as tornam tão amada.

(Deixar tempo para interiorização).

Agora cada um vai encontrar a pessoa que lhe tem um grande significado.

Cada um em silêncio profundo se dirige até a caixa, olha a tampa e volta em silêncio para seu lugar. Depois se faz a partilha dos próprios sentimentos, das reflexões e conclusões de cada um.

No fundo da caixa há um espelho ao olhar a pessoa vê seu reflexo e sendo assim a pessoa compreende a importância de fazer boas escolhas para si mesmo a auto estima elevada quando percebemos a nossa importância.

Palavra de Deus: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

  1. Números

Objetivos: Conhecimentos Pessoais.

Material: Cartões com números diferentes.

Desenvolvimento: Cada participante recebe um número que não deve ser mostrado para ninguém.

Dada a ordem, cada um vai procurar o número igual e não acha.

Comentam-se as conclusões tiradas (Somos únicos e irrepetíveis perante o outro).

Palavra de Deus: Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e não vai após a perdida até que venha a achá-la?  Lucas 15:4

  1. Sensações de vida ou morte

Objetivo: analisar o tempo de vida e as prioridades.

Material: caixas de palito de fósforo.

Desenvolvimento: grupo em círculo e ambiente escuro.

Quando o animador disser já todos devem acender um palito de fósforo, e começar a pensar tudo que ele deseja que aconteça em sua vida até que o palito se acabe.

Reflexão:

  1. O tempo da chama é curto é preciso priorizar as necessidades.
  2. A chama simboliza a vida, quem nos dá a vida é Deus e somente ele pode decidir quando a chama se apagará.
  3. Somos como o palito, Deus é a vida em nós, temos sido gratos pelo o que ele nos deu?
  4. A chama que se apaga no mundo deverá se acender no dia do julgamento perante o senhor, estamos dispostos a ser chama viva para toda a eternidade? Merecemos tal dádiva?

Analisar a dinâmica e os sentimentos.

Palavra de Deus: O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. João 10:10

  1. Meu presente para você.

Objetivo: celebração penitencial e compromisso.

Material: não há material, usar a imaginação.

Desenvolvimento: o grupo deve estar em círculo.

Colocar a imagens em folhas de papel de:

  • um machado,
  • uma rosa
  • uma bomba.

Numa caixa deve conter os nomes dos participantes. Então cada um deverá pegar um nome sem comentar sobre o nome sorteado.

Um dos participantes pega uma das imagens.(machado, rosa ou óculos) Lê o nome da pessoa sorteada e diz porque ela daria este presente.

Exemplo1: eu te dou esta rosa para que você seja como ela delicada e bonita e exale perfume da sua presença.

Exemplo 2: Eu te dou o machado para que você arranque todo mal humor da sua vida.

Exemplo 3: Eu te dou bomba para acabar com todas as brigas em sua casa.

Observações: Você pode acrescentar outros objetos, com outros sentidos.

Palavra de Deus:

Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Mateus 7:7

  1. Nossos Valores

Objetivo: reconhecer os valores e qualidades.

Material: Cartões com valores escritos.

Exemplo: Calmo, extrovertido, tímido, paciente, nervoso, ansioso, perseverante, triste, feliz

Desenvolvimentos: cada pessoa recebe um cartão aleatório com um valor que ela deve analisar se possuem ou não tal qualidade. Analisar:

Se possui: Porque eu possuo esta qualidade.

Se não possuo: Porque não possuo esta qualidade.

Deixar um momento para a reflexão pessoal.

Depois cada um vai dizer se considera ter mesmo este valor ou não. E se reconhece no grupo alguém que tem o mesmo valor, se houver ela deve entregar para ela o cartão e dizer porque acredita que ela tem tal qualidade.

Só no final da dinâmica, recolher todos os cartões.

Entregar a cada participante papel e caneta. Ler cada cartão e pedir que as pessoas anotem em duas colunas. Sendo a 1ª coluna os valores que possuem e na 2ª coluna os valores que julgar não possuir.

Peça que escreva no final da folha as qualidades que perceberem que não são boas mais que elas julgarem que possuem.

Todos devem levar as más qualidades amassadas e jogarem no lixo.

No final recolher as más qualidades e colocar fogo, e convidar os participantes a abandonarem as más qualidades.

E dizer que restou no papel as boas qualidades, peça que eles guardem e pratiquem as boas qualidades, e faça uma oração pedindo a Deus que os conceda as virtudes que ficaram, dando a todos força para perseverarem nas boas qualidades e força para abandonar as más qualidades

Palavra de Deus:

5 – E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.

6 – E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.

7 – Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.

8 – Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;

9 – E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar;

10 – E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.

11 – Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer. I Coríntios 12:5-11

  1. Valores 2

Objetivo: ressaltar o positivo do grupo.

Material: folhas, canetas e alfinetes.

Desenvolvimento: cada participante recebe uma folha em branco. Depois de refletirem um momento sobre suas qualidades, anotam na folha colocando o seu nome.

Em seguida prendem a folha com alfinete nas costas e andam pela sala, um lendo os valores dos outros e acrescentando valores que reconhecem no companheiro. Só no final todos retiram o papel e vão ler o que os colegas acrescentaram.

Palavra de Deus:

1 – LOUVAI ao SENHOR. Louvarei ao SENHOR de todo o meu coração, na assembléia dos justos e na congregação.

2 – Grandes são as obras do SENHOR, procuradas por todos os que nelas tomam prazer.

3 – A sua obra tem glória e majestade, e a sua justiça permanece para sempre.

4 – Fez com que as suas maravilhas fossem lembradas; piedoso e misericordioso é o SENHOR.

5 – Deu mantimento aos que o temem; lembrar-se-á sempre da sua aliança.

6 – Anunciou ao seu povo o poder das suas obras, para lhe dar a herança dos gentios.

7 – As obras das suas mãos são verdade e juízo, seguros todos os seus mandamentos.

8 – Permanecem firmes para todo o sempre; e são feitos em verdade e retidão.

9 – Redenção enviou ao seu povo; ordenou a sua aliança para sempre; santo e tremendo é o seu nome.

10 – O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria; bom entendimento têm todos os que cumprem os seus mandamentos; o seu louvor permanece para sempre. Salmos 111:1-10

  1. Dinâmica de apresentação

Objetivo: conhecimentos mútuos, memorização dos nomes e integração grupal.

 

Desenvolvimento:

Cada um dirá o próprio nome acrescentando um adjetivo que tenha a mesma inicial do seu nome. Roberto Risonho.

O seguinte repete o nome do companheiro com o adjetivo e o seu apresenta acrescentando um adjetivo para o seu nome e assim sucessivamente.

 

Exemplos: Roberto Risonho, Nair Neutra, Luzia Linda, Inácio Inofensivo.

 

Palavra de Deus

17 – Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe. Apocalipse 2:17

  1. O Helicóptero

 Objetivo: apresentação e entrosamento.

 Desenvolvimento: (duração 40 minutos).

Faz-se um círculo com os participantes.

O coordenador convida a todos a fazerem um passeio de barco a remo. Inicia-se o passeio. Todos devem fazer gestos com os braços, como se estivessem remando.

O coordenador anuncia a chegada à ilha. Todos podem passear por ela, à vontade (todos passeiam pela sala e cumprimentam o companheiro).

O coordenador anuncia a todos que houve um maremoto e a ilha vai se inundada. Por isso, virá um helicóptero para resgatar o grupo. Porém ele não comporta todos de uma vez. O grupo deverá organizar rapidamente seguindo as orientações.

Um pessoa chega e no pescoço está escrito numa placa, Helicóptero.

  1. a) O helicóptero chegou. Ele levará cinco pessoas. Escolha rapidamente quem deve ir. (a pessoa com a placa escrita helicóptero pega na mão das pessoas e as leva a uma outra sala ou fora da sala atual)

  1. b) O helicóptero voltou. Desta vez levará quatro pessoas, Escolha rapidamente quem deve ir

  1. c) Nosso helicóptero deu pane no motor. Veio desta vez um menor. Só levará três pessoas. Quem não seguir orientação poderá ser jogado no mar. O tempo é curto, por isso deve-se decidir rapidamente quem vai.

  1. e) O helicóptero não pode voltar mais. Acabou o combustível. Dê uma pausa para que as pessoas possam expressar suas frustrações. Temos que sair de botes pequenos. Há uma exigência fundamental: levar uma pessoa com quem não se conversou ainda.

Pegar na mão um do outro e com a outra mão devem remar.

Lembrar que se soltarem as mãos todos iram se afogar. Por isso todos devem se comprometer a ajudar o outro e não o abandonar em hipótese alguma.

Devem dar três voltas na sala e saírem.

Retorne a sala e pergunte o que acharam da experiência.

Palavra de Deus

34 – Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.

35 – Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. João 13:34-35

 

  1. Virar pelo avesso

Objetivo: Despertar o grupo para a importância da União e interação na igreja, a organização na busca de alternativas.

Desenvolvimento:

1° Passo: formar um círculo, todos de mãos dadas.

2° Passo: O coordenador propõe o grupo um desafio. O grupo, todos deverão virar o corpo e sem soltar as mãos virarem seus corpos para fora do círculo.

3° Passo: o grupo deverá buscar alternativas, até conseguir o objetivo.

4° Passo: depois de conseguir virar pelo avesso, o grupo deverá desvirar, voltando a estar como antes.

 

Analisar a dinâmica:

O que viam? Como se sentiram?

Foi fácil encontrar a saída? Porquê?

Alguém desanimou? Porquê?

O que isto tem a ver com o nosso dia a dia na igreja? Como superar as dificuldades e continuarmos unidos.

Como tem sido na sociedade e na igreja, quais as diferenças.

O que nós podemos fazer para criar um ambiente de segurança e confiança na igreja para que tudo que viermos a resolver seja em harmonia.

 

Obs.: Se alguém já conhece a dinâmica deve ficar de fora observando ou não dar pistas nenhuma.

Palavra de Deus:

18 – Totalmente desfalecerás, assim tu como este povo que está contigo; porque este negócio é mui difícil para ti; tu só não o podes fazer.

19 – Ouve agora minha voz, eu te aconselharei, e Deus será contigo. Sê tu pelo povo diante de Deus, e leva tu as causas a Deus;

20 – E declara-lhes os estatutos e as leis, e faze-lhes saber o caminho em que devem andar, e a obra que devem fazer.

21 – E tu dentre todo o povo procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que odeiem a avareza; e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinqüenta, e maiorais de dez;

22 – Para que julguem este povo em todo o tempo; e seja que todo o negócio grave tragam a ti, mas todo o negócio pequeno eles o julguem; assim a ti mesmo te aliviarás da carga, e eles a levarão contigo.

23 – Se isto fizeres, e Deus to mandar, poderás então subsistir; assim também todo este povo em paz irá ao seu lugar.

24 – E Moisés deu ouvidos à voz de seu sogro, e fez tudo quanto tinha dito; Êxodo 18:18-24

  1. Os infiltrados

Participantes: Bom para mais de 15 pessoas.

Tempo: de 15 a 30 minutos.

Descrição: Forma-se 2 grupos, escolham 2 líderes que são orientados por quem está aplicando a dinâmica a agirem da seguinte forma.

1 Líder deve concordar com todas as opiniões, mudando na medida que opiniões divergentes forem apresentadas. Sem um líder fraco sem opinião própria e sem pulso para organizar nada.

2º Líder deve descordar com todas as opiniões, usa de sua posição de líder para impor suas vontades. È autoritário e arrogante, as vezes desrespeita a opinião e o falar, falando quando alguém começa a expressar sua opinião.

 

A missão: Os grupos formados devem tentar construir um barco usando diversos materiais. Tais como: Cola, Lápis, garrafa pet, fita crepe, tesoura, cartolina, tinta e jornal

Analise da dinâmica com os grupos: Revelar os infiltrados e mostrar que nem os permissivos e nem os arrogantes conseguem agradar as pessoas e consequentemente não agradam a Deus. E que cada um analise seu próprio comportamento, refletindo se ele não tem tido comportamentos iguais aos que os líderes de grupo apresentados.

Abrir discursão de como seria um líder ideal. Ressaltar a importância da temperança na direção dos trabalhos.

Palavra de Deus:

22 – Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Gálatas 5:22

  1. Encontro de Grupos

Participantes: grupos de 3 a 5 pessoas.

Tempo: 1 hora.

Material: folhas grandes de cartolina

Descrição: o coordenador forma vários grupos. Sorteia-se os grupo Exemplo o grupo A deve ficar com o grupo C o grupo D deve ficar com o grupo A , assim por diante. Cada um deverá responder, numa das folhas de cartolina sobre como é o grupo ao qual ficou sorteado. Os grupo não deveram saber quem sai com quem. E responder as seguintes perguntas

  1. Como o nosso grupo vê o outro grupo?
  2. Como o nosso grupo pensa que somos vistos por outro grupo?

Após 40 minutos reuni-se todo(s) representante(s) de cada grupo deverá expor a conclusão do mesmo. Mais uma vez os grupos se reúnem para analisar e justificam os itens que eles acreditam que foram corretamente/incorretamente apontados sobre eles.

Analise da dinâmica com os grupos: Cada pessoa tem uma forma de enxergar a outra, porém essa ideia de como a outra pessoa é não corresponde a ideia que cada um faz de si mesmo.

Nesta dinâmica o objetivo é que cada pessoa analise e reflita que tipo de imagem temos passado para as outras pessoas, e se de fato temos atitudes que as vezes não notamos mais que sempre estamos demonstrando a outras pessoas.

Palavra de Deus:

28 – Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice.

I Coríntios 11:28

  1. Espelho

Participantes: Sem determinação

Tempo Estimado: 30 minutos

Material: Um espelho escondido dentro de uma caixa, de modo que ao abri-la o integrante veja seu próprio reflexo.

Descrição: O coordenador motiva o grupo: “Cada um pense em alguém que lhe seja de grande significado. Uma pessoa muito importante para você, a quem gostaria de dedicar a maior atenção em todos os momentos, alguém que você ama de verdade… com quem estabeleceu íntima comunhão… que merece todo seu cuidado, com quem está sintonizado permanentemente… Entre em contato com esta pessoa, com os motivos que a tornam tão amada por você, que fazem dela o grande sentido da sua vida…” Deve ser criado um ambiente que propicie momentos individuais de reflexão, inclusive com o auxílio de alguma música de meditação. Após estes momentos de reflexão, o coordenador deve continuar: “… Agora vocês vão encontrar-se aqui, frente a frente com esta pessoa que é o grande significado de sua vida”.Em seguida, o coordenador orienta para que os integrantes se dirijam ao local onde está a caixa (um por vez). Todos devem olhar o conteúdo e voltar silenciosamente para seu lugar, continuando a reflexão sem se comunicar com os demais. Finalmente é aberto o debate para que todos partilhem seus sentimentos, suas reflexões e conclusões sobre esta pessoa tão especial. É importante debater sobre os objetivos da dinâmica.

Palavra de Deus:

18 – Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.

II Coríntios 3:18

  1. Evangelho em pedaços

Participantes: 10 a 15 pessoas

Tempo Estimado: 15 minutos

Material: Papéis com pequenos trechos da Bíblia (partes de passagens) com indicação do livro, capítulo e versículos.

Descrição: Cada integrante recebe um trecho da Bíblia e procura compreendê-lo, entender qual a mensagem da passagem Bíblica. Como você pode trazer essa mensagem que você refletiu para o seu dia-a-dia. Para melhorar a compreensão do trecho, deve consultar a passagem completa na Bíblia. Em seguida, os integrantes devem ler o seu trecho e comentá-lo para o grupo. Ao final, é aberto o debato sobre os trechos selecionados e as mensagens por eles transmitidas.

Palavra de Deus:

32 – E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32

  1. Conhecendo o grupo

Participantes: 25 a 30 pessoas

Tempo: 30 minutos

Material: papel com perguntas para ser respondida em público para cada membro.

Descrição: o coordenador faz uma breve introdução do exercício, falando sobre a descoberta pessoal e a importância do exercício; distribuir, uma papeleta para cada um; um a um, os participantes lerão a pergunta que estiver na papeleta, na ordem em que se encontrarem no grupo. ou seja, escolha alguém para começar e girando no sentido horário todos deverem procurar responder com toda sinceridade; a pergunta que saiu para ela, após cada pergunta o coordenado perguntará aleatoriamente a alguém do grupo o que ele acha da resposta, se concorda, se não concorda e porque.

Exemplos de pergunta:

  1. Qual o seu hobby predileto ou como você preenche o seu tempo livre
  2. Que importância tem a religião na sua vida
  3. O que mais o aborrece
  4. Como você encara o divórcio
  5. Qual a emoção é mais difícil de se controlar
  6. Qual a pessoa do grupo que lhe é mais atraente
  7. Qual a comida que você menos gosta
  8. Qual o traço de personalidade que lhe é mais marcante
  9. Qual é, no momento, o seu maior problema
  10. Na sua infância, quais foram os maiores castigos ou críticas recebidas
  11. Como estudante, quais as atividades em que participou
  12. Quais são seus maiores receios em relação à vivência em grupo
  13. Qual é a sua queixa em relação à vivência em grupo
  14. Você gosta do seu nome
  15. Quem do grupo você escolheria para seu líder
  16. Quem do grupo você escolheria para com ele passar suas férias
  17. Você gosta mais de viver numa casa ou num apartamento
  18. Qual o pais que você gostaria de visitar
  19. Quais são algumas das causas da falta de relacionamento entre alguns pais e filhos
  20. Se você fosse presidente da república, qual seria sua meta prioritária.

Palavra de Deus:

1 – OH! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. Salmos 133:1

  1. Guiando o cego

Participantes: Indefinido sendo Nº pares de pessoas.

Tempo Estimado: 25 minutos.

Material: Alguns vendas ou lençóis, e uma área com obstáculos, de preferência em campo aberto.

Descrição: O coordenador venda os olhos de todas, caso não tenha vendas o coordenador devera pedir a todos que fechem os olhos. Os cegos devem caminhar desviando-se dos obstáculos durante determinado intervalo de tempo. Sendo guiados apenas pela voz de um parceiro. Após este tempo deve-se realizar alguns questionamentos para os mesmos, tais como:

  • Como vocês se sentiram sem poder enxergar?
  • Tiveram medo? Por quê? De quê?
  • Que acham da sorte dos cegos?

Em seguida, troca-se os papeis, quem estava vendado agora ira conduzir. Após este tempo deve-se realizados os seguintes questionamentos:

  • Como vocês se sentiram nas mãos dos guias?
  • Tiveram confiança ou desconfiança? Por quê?
  • É preferível sozinho ou com um guia? Por quê?

Palavra de Deus:

O Evangelho relata várias curas de cegos (Mt 9,27-32;Jo 9,1-39). Qual a semelhança que se pode encontrar, por exemplo, entre o relato de Lucas e a sociedade moderna? Qual a semelhança entre a cura da vista e a missão da igreja de conscientização?

  1. O jogo da flor

Material: uma flor.

Desenvolvimento: os participantes sentam-se em círculo e o animador tem uma flor na mão. Diz para a pessoa que está à sua esquerda: senhor… (diz o nome da pessoa), receba esta flor que o senhor…(diz o nome da pessoa da direita) lhe enviou…

E entrega a flor. A pessoa seguinte deve fazer a mesma coisa. Quem trocar ou esquecer algum nome passará a ser chamado pelo nome de um bicho. Por exemplo, gato. Quando tiverem que se referir a ele, os seus vizinhos, em vez de dizerem seu nome, devem chamá-lo pelo nome do bicho.

O animador deve ficar atento e não deixar os participantes entediados. Quanto mais rápido se faz à entrega da flor, mais engraçado fica o jogo.

Palavra de Deus:

24 – Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor; I Pedro 1:24

  1. Quem sou eu

Participantes: 25 pessoas

Material: Relação de perguntas pré-formuladas, ou sorteio destas.

Descrição: Apresentação do tema pelo coordenador, lembrando de ser utilizado o bom senso tanto de quem pergunta como quem responde. Escolhe-se um voluntário para ser interrogado, sentando numa cadeira localizada no centro do círculo (que seja visível de todos), o voluntário deverá ter num papel o nome de algum participante e tentar responder as perguntas como se fosse a própria pessoa cujo o nome está no papel.

Após a entrevista os participantes deverão tentar descobrir quem é a pessoa escrita no papel.

Observação: Essa dinâmica é dirigida a um grupo que já se conhece a bastante tempo.

Palavra de Deus:

15 – Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? Mateus 16:15

  1. De olho no Bilhete

Participantes: 7 a 20 pessoas

Tempo Estimado: 20 minutos

Material: Pedaços de papel com mensagens e fita adesiva.

Descrição: Os integrantes devem ser dispostos em um círculo, lado a lado, voltados para o lado de dentro do mesmo. O coordenador deve grudar nas costas de cada integrante um cartão com uma frase diferente. Terminado o processo inicial, os integrantes devem circular pela sala, ler os bilhetes dos colegas e atendê-los, sem dizer o que está escrito no bilhete. Todos devem atender ao maior número possível de bilhetes. Após algum tempo, todos devem voltar a posição original, e cada integrante deve tentar adivinhar o que está escrito em seu bilhete. Então cada integrante deve dizer o que está escrito em suas costas e as razões por que chegou a esta conclusão. Caso não tenha descoberto, os outros integrantes devem auxiliá-lo com dicas. O que facilitou ou dificultou a descoberta das mensagens? Como esta dinâmica se reproduz no cotidiano?

 

Sugestões de bilhetes:

  • Em quem voto para presidente?
  • Sugira um nome para meu bebê?
  • Sugira um filme para eu ver?
  • Briguei com a sogra, o que fazer?
  • Cante uma música para mim?
  • Gosto quando me aplaudem.
  • Sou muito carente. Me dê um apoio.
  • Tenho piolhos. Me ajude!
  • Estou com fome. Me console!
  • Dance comigo.
  • Estou com falta de ar. Me leve à janela.
  • Me descreva um jacaré.
  • Me ensine a pular.
  • Tem uma barata em minhas costas!
  • Dobre a minha manga.
  • Quanto eu peso?
  • Estou dormindo, me acorde!
  • Me cumprimente.
  • Meu sapato está apertado. Me ajude.
  • Quantos anos você me dá?
  • Me elogie.
  • O que faz o síndico de um prédio?
  • Sou sósia de quem?
  • Como conquistar um homem?
  • Veja se estou com febre.
  • Chore no meu ombro.
  • Estou de aniversário, quero meu presente.
  • Sorria para mim.
  • Me faça uma careta?

Palavra de Deus:

18 – Quem fala de si mesmo busca a sua própria glória; mas o que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e não há nele injustiça. João 7:18

  1. Este sou eu

Desenvolvimento: distribuir aos participantes papel e convidá-los a fazer um desenho de sí mesmo de corpo inteiro e de frete.

Anotar na figura:

  • Diante dos olhos: as coisas que viu e mais o impressionaram.
  • Diante da boca: 3 expressões (palavras, atitudes) dos quais se arrependeu ao longo da sua vida.
  • Diante da cabeça: 3 ideias das quais não abre mão.
  • Diante do coração: 3 grandes amores.
  • Diante das mãos: ações inesquecíveis que realizou.
  • Diante dos pés: piores enroscadas em que se meteu.

 

Comentário:

  • Foi fácil ou difícil esta comunicação? Porque?
  • Este exercício é uma ajuda? Em que sentido?
  • Em qual anotação sentiu mais dificuldade? Por que?
  • Este exercício pode favorecer o diálogo entre as pessoas e o conhecimento de si mesmo? Por que?

Iluminação bíblica: Mc 7, 32-37.

Palavra de Deus:

15 – Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; I Pedro 1:15

  1. Meus(Minhas) quatro amigos(as)

Material: papel e caneta para cada um

Descrição: Primeiro se lê o texto base do evangelho: a cura do paralítico que é levado pelos seus amigos. (Lc 5,17-26: Mc 2,1-12; Mt 9,1-8). Assim coordenador distribui a folha e caneta para todos, e pedir que escrevam nome de 4 pessoas que ele poderia contar para levá-lo(a) a Jesus.

Plenário:

Assumimos nossa condição de amigo de levar nossos amigos até Jesus?

  • Existem quatro amigos verdadeiros que se tenham comprometido a suportar-me sempre?
  • Conto incondicionalmente com quatro pessoas para as quais eu sou mais importante de que qualquer coisa?
  • Tenho quatro pessoas que me levantam, se caio, e corrigem, se erro, que me animam quando desanimo?
  • Tenho quatro confidentes, aos quais posso compartilhar minhas lutas, êxitos, fracassos e tentações?
  • Existem quatro pessoas com quem eu não divido um trabalho e sim uma vida?
  • Posso contar com quatro amigos verdadeiros, que não me abandonariam nos momentos difíceis, pois não me amam pelo que faço, mas, pelo que sou?
  • Sou incondicional de quatro pessoas?
  • Há quatro pessoas que podem tocar na porta da minha casa a qualquer hora?
  • Há quatro pessoas que, em dificuldades econômicas, recorreriam a mim?
  • Há quatro pessoas que sabem serem mais importantes para mim, que meu trabalho, descanso ou planos?

No trecho do evangelho observamos algumas coisas como?

Lugar onde uns necessitam ajuda e outros prestam o serviço necessário.

O ambiente de amor, onde os amigos carregam o mais necessitado que não pode caminhar por si mesmo.

Os amigos se comprometem a ir juntos a Jesus, conduzindo o enfermo para que seja curado por ele.

Deixar-se servir pelos irmãos.

Uma vez curado, carregar o peso da responsabilidade.

Se alguém não consegue descrever 4 pessoas, temos então que buscar agradar as pessoas e construir amizades sinceras para não estarmos sozinhos no mundo. Pois amizades sinceras são tesouros que devemos buscar nesta vida.

Palavra de Deus:

Lc 5,17-26: Mc 2,1-12; Mt 9,1-8

  1. Nome perdido

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 25 minutos.

Material: Um crachá para cada pessoa do grupo e um saco ou caixa de papelão para colocar todos os crachás.

Descrição: O coordenador devera recolher todos os crachás colocar no saco ou na caixa; misturar bem todos estes crachás, depõe dê um crachá para cada pessoa. Esta deverá encontrar o verdadeiro dono do crachá, em 1 minuto.

Ao final desse tempo, quem estiver ainda sem crachá ou com o crachá errado, azar! Porque terá que pagar uma prenda.

Palavra de Deus:

29 – Então dali buscarás ao SENHOR teu Deus, e o acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma. Deuteronômio 4:29

  1. Palavra iluminada

Participantes: 7 a 15 pessoas

Tempo Estimado: Indefinido

Material: Uma vela e trechos selecionados da Bíblia que tratem do assunto a ser debatido.

Observação: Para grupos cujos integrantes já se conhecem, a parte relativa à apresentação pode ser eliminada da dinâmica.

Descrição: A iluminação do ambiente deve ser serena de modo a predominar a luz da vela, que simboliza Cristo iluminando os nossos gestos e palavras. Os participantes devem estar sentados em círculo de modo que todos possam ver a todos. O coordenador deve ler o trecho bíblico inicial e comentá-lo, sendo que a pessoa a sua esquerda deve segurar a vela. Após o comentário do trecho, a pessoa que estava segurando a vela passa a mesma para o vizinho da esquerda e se apresenta ao grupo. Em seguida esta pessoa realiza a leitura de outro trecho da bíblia indicado pelo coordenador e faz seus comentários sobre o trecho. Este processo se realiza sucessivamente até que o coordenador venha a segurar a vela e se apresentar ao grupo. Então, o coordenador lê uma última passagem bíblica que resuma todo o conteúdo abordado nas passagens anteriores. Após a leitura desta passagem, os integrantes do grupo devem buscar a opinião do grupo como um todo, baseado nos depoimentos individuais, sobre o tema abordado. Quando o consenso é alcançado apaga-se à vela. Por último pode-se comentar a importância da Luz (Cristo) em todos os atos de nossas vidas.

Palavra de Deus

17 – De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus. Romanos 10:17

  1. Palavra que transforma

Material: uma bolinha de isopor, um giz, um vidrinho de remédio vazio, uma esponja e uma vasilha com água.

Desenvolvimento: Primeiro se explica que a água é a palavra de Deus e que o objeto somos nós, depois se coloca a água na vasilha, e alguém mergulha o isopor, após ver o que ocorre com o isopor, mergulhar o giz, depois a vidro de remédio e por último a esponja.

Então refletimos:

Como a Palavra de Deus age na minha vida?

Eu estou agindo como o isopor que não absorve nada e também não afunda ou aprofunda?

Ou estou agindo como o giz que guarda a água para si sem partilhar com ninguém?

Ou ainda agimos como o vidrinho que tinha água só para passar para os outros, mas sem guardar nada para si mesmo?

Ou agimos como a esponja absorvendo bem a água e mesmo espremendo continuamos com água?

Palavra de Deus:

8 – Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente. Isaías 40:8

 

24 – Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; Mateus 7:24

 

16 – Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça; II Timóteo 3:16

 

  1. Minha História de fé

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 15 minutos.

Material: lápis ou caneta e uma folha de papel em branco para cada participante.

Descrição: Formar um circulo e entregar uma folha em branco para cada participante, juntamente caneta ou lápis.

O participante deverá contar como conheceu a Deus e a igreja que frequenta. E terá somente 5 minutas para isso e mais 1 minuto será acrescentado para concluir.

Cada participante deverá ler sua história de fé e os demais poderão fazer perguntas sobre como tudo ocorreu.

Palavra de Deus:

16 – Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda. João 15:16

  1. Pessoas balões

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 15 minutos.

Material: Um balão cheio e um alfinete.

Descrição: O coordenador deve explicar aos participantes por que certas pessoas em determinados momentos de sua vida, se parecem com os balões:

Alguns estão aparentemente cheios de vida, mas por dentro nada mais têm do que ar;

Outros parecem ter opinião própria, mas se deixam levar pela mais suave brisa;

Por fim, alguns vivem como se fossem balões cheios, prestes a explodir; basta que alguém os provoque com alguma ofensa para que (neste momento estoura-se um balão com um alfinete) “estourem”.

Pedir que todos deem sua opinião e falem sobre suas dificuldades em superar críticas e ofensas.

Palavra de Deus:

21 – E eu darei graça a este povo aos olhos dos egípcios; e acontecerá que, quando sairdes, não saireis vazios, Êxodo 3:21

  1. Pessoas balões 2

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 15 minutos.

Material: Balões e alfinetes.

Descrição: O coordenador deve explicar aos participantes para que encham seus balões e peguem um alfinete.

Depois diz a seguinte frase, esses balões são os sonhos de vocês eu defendo os meus sonhos e espero que vocês defendam os de vocês. Neste momento ele deve correr e proteger seu balão.

A tendência natural e que as pessoas saiam alfinetando os balões uns dos outros, Após 1 minuto pedir para todos pararem.

Reúna o grupo e pergunte: Porque você estourou os sonhos dos seus irmãos? Defender seus sonhos não significa acabar com os sonhos dos que os cercam. Quantas vezes cada um de nós se importando somente com nós mesmo saímos por ai acabando com o sonho alheio. Esta não é a vontade do seu criador. Deveríamos estar unidos cuidando dos sonhos uns dos outros.

Deixe que cada um se expresse.

Palavra de Deus:

18 – Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR. Levítico 19:18

  1. Pizza dos nossos valores

Participantes: 7 a 15 pessoas

Tempo Estimado: 30 minutos

Material: Lápis e papel para os integrantes.

Descrição: O coordenador propõe temas a serem debatidos pelo grupo. Cada integrante é motivado para que defina qual a importância dos diferentes temas para si mesmo. Dentre os temas propostos pode-se ter temas como: drogas, sexo, namoro, política, amizade, espiritualidade, liturgia, família, educação, saúde, segurança, esportes, etc. Os temas devem ser identificados por um número ou uma letra (de preferência a primeira letra do tema). Em seguida, cada integrante deve desenhar um círculo e dividi-lo de acordo com a proporção de importância que tem para com cada tema. As divisões devem ser identificadas pelos números ou letras definidos anteriormente para os temas. Temas se nenhuma importância para o integrante podem ser simplesmente desconsiderados pelo mesmo. Então, cada integrante apresenta seu desenho ao grupo comentando suas opções. Em contrapartida, o grupo pode opinar sobre estas opções e se as mesmas correspondem ao que o grupo esperava do integrante.

Palavra de Deus:

37 – E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.38 – Este é o primeiro e grande mandamento.39 – E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Mateus 22:37-39

  1. Presente da alegria

Participantes: 3 a 10 pessoas

Tempo: 5 minutos por participante;

Material: lápis e papel;

Descrição: O coordenador forma subgrupos e fornece papel para cada participante;

A seguir, o coordenador fará uma exposição, como segue: “muitas vezes apreciamos mais um presente pequeno do que um grande. Muitas vezes ficamos preocupados por não sermos capazes de realizar coisas grandes e negligenciamos de fazer coisas menores, embora de grande significado. Na experiência que segue, seremos capazes de dar um pequeno presente de alegria para cada membro do grupo”;

Prosseguindo, o coordenador convida todos os participantes para que escrevam uma mensagem para cada membro do grupo. A mensagem visa provocar em cada pessoa sentimentos positivos em relação a si mesmo;

O coordenador apresenta sugestões, procurando induzir a todos a mensagem para cada membro do grupo, mesmo para aquelas pessoas pelas quais não sintam grande simpatia.

Na mensagem dirá:

  1. Procure ser específico, dizendo, por exemplo: “gosto do seu modo de rir toda vez que você se dirige a uma pessoa”, em vez de: “eu gosto de sua atitude”, que é mais geral;
  2. Procure escrever uma mensagem especial que se enquadre bem na pessoa, em vez de um comentário que se aplique a várias pessoas;
  3. Inclua todos, embora não conheça suficientemente bem. Procure algo de positivo em todos;
  4. Procure dizer a cada um o que observou dentro do grupo, seus pontos altos, seus sucessos, e faça a colocação sempre na primeira pessoa, assim: “eu gosto” ou “eu sinto”;
  5. Diga ao outro o que encontra nele que faz você ser mais feliz;

Os participantes poderão, caso queiram, assinar a mensagem;

Exemplos:

Carlos

Você é uma pessoa brigalhona e sua alegria contagia a todos nós, obrigado por nos fazer feliz.

 

Maria

Sua timidez nos faz pensar e dosar nossas palavras pois Deus te fez delicada como uma flor e seu perfume nos traz paz.

Assinado: Arnaldo

Escritas às mensagens, serão elas dobradas e colocadas numa caixa para ser recolhidas e lida em voz alta para o grupo.

Palavra de Deus:

39 – E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Mateus 22:39

  1. Meu Presente para um amigo

Participantes: 10 a 30 pessoas

Tempo Estimado: 30 minutos

Material: Lápis e papel para os integrantes

Descrição: O coordenador divide o grupo em subgrupos de quatro a seis integrantes e, em seguida, expõe o seguinte: “Muitas vezes apreciamos mais um presente pequeno do que um grande. Muitas vezes ficamos preocupados por não sermos capazes de realizar coisas grandes e negligenciamos de fazer coisas menores, embora de grande significado. Na experiência que segue, seremos capazes de dar um pequeno presente de alegria para alguns integrantes do grupo”. Prosseguindo, o coordenador convida os integrantes para que escrevam mensagens para todos os integrantes de seu subgrupo. As mensagens devem ser da seguinte forma:

  1. a) Provocar sentimentos positivos no destinatário com relação a si mesmo;
  2. b) Ser mais específicas, descrevendo detalhes próprios da pessoa ao invés de características muito genéricas;
  3. c) Indicar os pontos positivos da pessoa dentro do contexto do grupo;
  4. d) Ser na primeira pessoa;
  5. e) Ser sinceras;
  6. f) Podem ser ou não assinadas, de acordo com a vontade do remetente.

As mensagens são dobradas e o nome do destinatário é colocado do lado de fora. Então elas são recolhidas e entregues aos destinatários. Depois que todos tiverem lido as mensagens, segue-se à conclusão da dinâmica com um debate sobre as reações dos integrantes.

Palavra de Deus:

14 – Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Gálatas 5:14

  1. Riqueza dos nomes

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 30 minutos.

Material: Tiras de papel ou cartolina, pincel atômico ou caneta hidrográfica, cartaz para escrever as palavras montadas ou quadro-negro.

Descrição: Os participantes de um grupo novo são convidados pelo coordenador a andar pela sala se olhando, enquanto uma música toca.

Quando o som para, escolher um par e ficar ao lado dele (a). Cumprimentar-se de alguma forma, com algum gesto (aperto de mão, abraço, beijo no rosto e etc.).

Colocar novamente os pares a andar pela sala (desta vez são os dois andando juntos). Assim que para a música, devem se associar a outro par (fica o grupo com quatro pessoas).

Cada participante do grupo composto de quatro pessoas recebe uma cartolina e coloca nela seu nome (tira de papel também serve).

Após mostrar o nome para os outros três companheiros, os participantes deste pequeno grupo juntarão uma palavra com estas sílabas (servem apenas as letras).

Exemplo: Anderson + lio + DAiane = Ajuda

Airton + RoMIlton + ZAira + SanDEr = Amizade

Colocar a palavra formada num quadro-negro ou cartolina e o grupo falará sobre ela e sua importância na vida.

Palavra de Deus:

1 – OH! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. Salmos 133:1

  1. Salmo da vida

Participantes: 10 a 20 pessoas

Tempo Estimado: 45 minutos

Material: Lápis e papel para os integrantes.

Descrição: Cada integrante deve escrever a história de sua vida, destacando os acontecimentos marcantes. O coordenador deve alertar o grupo de que experiências de dor e sofrimento podem ser vistas como formas de crescimento e não simples acontecimentos negativos. Em seguida, os integrantes devem se perguntar qual foi à experiência de Deus que fizeram a partir dos acontecimentos descritos ou no decorrer de suas vidas. Depois devem escrever o salmo da vida, da sua vida, uma oração de louvor, agradecimento, pedido de perdão e/ou clamor. O desenvolvimento dos salmos deve-se realizar em um ambiente de paz e reflexão. Então, os integrantes devem ser divididos em subgrupos de três ou quatro pessoas onde cada integrante deve partilhar sua oração. Depois o grupo é reunido e quem quiser pode apresentar sua oração ao grupo. Por último é realizado um debate sobre os objetivos da dinâmica e a experiência que a mesma trouxe para os integrantes. Algumas questões que podem ser abordadas: Como se sentiu recordando o passado? O que mais chamou a atenção? Qual foi a reação para com acontecimentos tristes? Como tem sido a experiência com Deus? Qual a importância Dele em nossas vidas? Pode-se ainda comparar os salmos redigidos com os salmos bíblicos.

Palavra de Deus:

3 – Ouvi, reis; dai ouvidos, príncipes; eu, eu cantarei ao SENHOR; salmodiarei ao SENHOR Deus de Israel. Juízes 5:3

  1. Semeando a amizade

Participantes: 7 a 15 pessoas

Tempo Estimado: 30 minutos

Material: Três vasos, espinhos, pedras, flores e grãos de feijão.

Descrição: Antes da execução da dinâmica, deve-se realizar a leitura do Evangelho de Mateus, capítulo 13, versículos de 1 a 9. Os espinhos, as pedras e as flores devem estar colocados cada qual em um vaso diferente. Os vasos devem estar colocados em um local visível a todos os integrantes. Nesta dinâmica, cada vaso representa um coração, enquanto que grãos de feijão, representam as sementes descritas na leitura preliminar. Então, cada integrante deve semear um vaso, que simboliza uma pessoa que deseje ajudar, devendo explicar o porquê de sua decisão. Pode-se definir que as pessoas citadas sejam outros integrantes ou qualquer pessoa. Além disso, se o tempo permitir, pode-se utilizar mais que uma semente por integrante.

Palavra de Deus:

1 – TENDO Jesus saído de casa, naquele dia, estava assentado junto ao mar;

2 – E ajuntou-se muita gente ao pé dele, de sorte que, entrando num barco, se assentou; e toda a multidão estava em pé na praia.

3 – E falou-lhe de muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que o semeador saiu a semear.

4 – E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na;

5 – E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda;

6 – Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz.

7 – E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na.

8 – E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta.

9 – Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. Mateus 13:1-9

  1. Experimentando o Espírito Santo

Participantes: indefinido.

Tempo Estimado: 15 minutos.

Material: Uvas ou balas .

Descrição: O coordenador deve falar um pouco do Espírito Santo para o grupo. Depois o coordenador da dinâmica deve mostrar o cacho de uva e perguntar a cada um como ele acha que esta o sabor destas uvas.

Obviamente alguns irão descordar a respeito do sabor destas uvas, como: acho que esta doce, que esta azeda, que esta suculenta etc.

Após todos terem respondido o coordenador entrega uma uva para cada um comer. Então o coordenador deve repetir a pergunta (como esta o sabor desta uva?).

Mensagem: Só saberemos o sabor do Espírito Santo se provarmos e deixarmos agir em nos.

Palavra de Deus:

7 – Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Mateus 7:7

  1. Terremoto

Participantes: Devem ser múltiplos de três e sobrar um. Ex: 22 (7×3 = 21, sobra um).

Tempo Estimado: 40 minutos.

Material: Para essa dinâmica só é necessário um espaço livre para que as pessoas possam se movimentar

Descrição: Dividir em grupos de três pessoas lembre-se que deverá sobrar um. Cada grupo terá 2 paredes e 1 morador. As paredes deverão ficar de frente uma para a outra e dar as mãos (como no túnel), o morador deverá ficar entre as duas paredes. A pessoa que sobrar deverá gritar uma das três opções abaixo:

MORADOR!!! – Todos os moradores trocam de “paredes”, devem sair de uma “casa” e ir para a outra. As paredes devem ficar no mesmo lugar e a pessoa do meio deve tentar entrar em alguma “casa”, fazendo sobrar outra pessoa.

PAREDE!!! – Dessa vez só as paredes trocam de lugar, os moradores ficam parados. Obs.: As paredes devem trocar os pares. Assim como no anterior, a pessoa do meio tenta tomar o lugar de alguém.

TERREMOTO!!! – Todos trocam de lugar, quem era parede pode virar morador e vice-versa. Obs.: NUNCA dois moradores poderão ocupar a mesma casa, assim como uma casa também não pode ficar sem morador. Repetir isso até cansar…

Conclusão: Como se sentiram os que ficaram sem casa? Os que tinham casa pensaram em dar o lugar ao que estava no meio? Passar isso para a nossa vida: Nos sentimos excluídos no grupo?Na Escola? No Trabalho? Na Sociedade? Sugestão: Quanto menor o espaço melhor fica a dinâmica, já que isso propicia várias trombadas. É muito divertido!!!

Palavra de Deus:

1 – AQUELE que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Salmos 91:1

  1. Troca de um segredo

Participantes: 15 a 30 pessoas.

Tempo Estimado: 45 minutos.

Material: Lápis e papel para os integrantes.

Descrição: O coordenador distribui um pedaço de papel e um lápis para cada integrante que deverá escrever algum problema, angústia ou dificuldade por que está passando e não consegue expressar oralmente. Deve-se recomendar que os papéis não sejam identificados a não ser que o integrante assim desejar. Os papéis devem ser dobrados de modo semelhante e colocados em um recipiente no centro do grupo. O coordenador distribui os papéis aleatoriamente entre os integrantes. Neste ponto, cada integrante deve analisar o problema recebido como se fosse seu e procurar definir qual seria a sua solução para o mesmo. Após certo intervalo de tempo, definido pelo coordenador, cada integrante deve explicar para o grupo em primeira pessoa o problema recebido e solução que seria utilizada para o mesmo. Esta etapa deve ser realizada com bastante seriedade não sendo admitidos quaisquer comentários ou perguntas. Em seguida é aberto o debate com relação aos problemas colocados e as soluções apresentadas.

Possíveis questionamentos:

Como você se sentiu ao descrever o problema?

Como se sentiu ao explicar o problema de um outro?

Como se sentiu quando o seu problema foi relatado por outro?

No seu entender, o outro compreendeu seu problema?

Conseguiu por-se na sua situação?

Você sentiu que compreendeu o problema da outra pessoa?

Como você se sentiu em relação aos outros membros do grupo?

Mudaram seus sentimentos em relação aos outros, como conseqüência da dinâmica?

Palavra de Deus:

15 – Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram; Romanos 12:15

  1. Tubarão

Participantes: Indefinido.

Material: Um local espaçoso.

Desenvolvimento: O animador explica a dinâmica: imaginem que agora estamos dentro de um navio, e neste navio existem apenas botes salva-vidas para um determinado número de pessoas, quando for dita a frase “Ta afundando”, os participantes devem fazer grupos referentes ao número que comporta cada bote, e quem ficar fora do grupo será “devorado” pelo tubarão (deve-se escolher uma pessoa com antecedência para ser o tubarão).

O número de pessoas no bote deve ser diminuído ou aumentado, dependendo do número de pessoas.

 

Responder às seguintes perguntas:

Quem são os tubarões nos dias de hoje?

Quem é o barco?

Quem são os botes?

Alguém teve a coragem de dar a vida pelo irmão?

Palavra de Deus:

19 – Mas os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando, sufocam a palavra, e fica infrutífera. Marcos 4:19

  1. Palavra chave

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 10 a 15 minutos.

Material: Bíblia.

Descrição: Essa brincadeira segue uma certa lógica que será explicada para o grupo;

A lógica é: Com a palavra chave na mão, deve-se com o auxílio da Bíblia, procurar um versículo que se enquadre com a palavra chave. Anotar esse versículo e a citação Bíblica.

Exemplo: casamento: No terceiro dia, houve uma festa de casamento em Caná da Galiléia, e a mãe de Jesus estava aí. (Jo 2, 1)

Outras sugestões de palavras-chave:

pedra, pedreira, pedregulho (“Tu és Pedro”)

pobre, pobreza (“bem aventurados os pobres…”)

oração, oratório, templo, culto (“Jesus se afastava da multidão para rezar”)

criança (“deixai vir a mim os pequeninos)

mulher (“tua fé te salvou”)

semente (“se tu tiver fé do tamanho de um grão de mostarda, serás salvo”)

ouvido (“as minhas orelhas ouvem a tua voz”)

Palavra de Deus:

26 – E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; Mateus 7:26

  1. João Bobo

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 10 a 15 minutos.

Material: Pano para vendar os olhos de um participante

Descrição: Forma-se um círculo com todos os participantes. Um deles somente deve ficar de fora.

Nada deve ser explicado até nesse momento. Escolhe-se uma pessoa (ela será o João Bobo – de preferência um menino) e retira da sala. Enquanto isso explica-se a brincadeira para todos os participantes que ficaram na sala.

A pessoa escolhida, e que foi retirada da sala, deve ser orientada para não ter medo e para se deixar levar durante a brincadeira. Certifique-a de que não irá se machucar.

Só então, traz-se a pessoa ja vendada para dentro da sala, coloca-a no centro do círculo e a brincadeira começa! As pessoas devem empurrá-la devagar, de um lado para o outro, brincando realmente de “João Bobo”.

Objetivo: O objetivo desse dinâmica é atingido quando há empenho de toda a roda para que o amigo que está no centro não caia. A pessoa vendada deve comentar depois de terminada a dinâmica sobre a confiança que teve que depositar em todo o grupo.

Essa dinâmica além de muito divertida, promove união, e confiança entre os membros do grupo. Deve-se refletir também sobre a amizade entre o grupo e com Deus, pois se há um amigo com quem podemos contar, é Deus!

Palavra de Deus:

9 – Jesus respondeu: Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo;

10 – Mas, se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz. João 11:9-10

  1. A roda da apresentação

 

Participantes: Indefinido, mas é importante que seja um número par de pessoas.

Se não for o caso, o coordenador da dinâmica pode requisitar um “auxiliar”.

Tempo Estimado: 30 minutos.

Material: uma música animada, tocada ao violão ou com gravador.

Objetivo: motivar um conhecimento inicial, para que as pessoas aprendam aos menos o nome das outras antes de se iniciar uma atividade em comum.

Descrição: formam-se dois círculos, um dentro do outro, ambos com o mesmo número de pessoas. Quando começar a tocar a música, cada círculo gira para um lado. Quando a música para de tocar, as pessoas devem se apresentar para quem parar à sua frente, dizendo o nome e alguma outra informação que o coordenador da dinâmica achar interessante para o momento.

Repete-se até que todos tenham se apresentado. A certa altura, pode-se, também, misturar as pessoas dos dois círculos para que mais pessoas possam se conhecer.

Palavra de Deus:

49 – E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos; Mateus 12:49

  1. O assassino misterioso

Participantes: Indefinido

Tempo estimado: Depende do tamanho do grupo

Descrição: Um participante sai da sala, e os demais escolhem alguém para ser assassino. forma-se um circulo, todos em frente ao outro, chama-se o integrante que ficou fora do grupo, e diz a ele:

_ Em nosso meio há um assassino ele mata com um piscar de olho, você deve nos defender descobrindo quem é o assassino, se você descobrir você ganha se você disser o nome errado da pessoa você perde, ele irá piscar para alguém, quem receber a piscada dirá: _ Morri. e sentará no chão.

Objetivo: Levar todos a pensar quem são nossos amigos e quem só vem a nós para nos tirar a motivação no Senhor, quem tira a motivação mata uma alma.

Palavra de Deus:

6 – Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar. Mateus 18:6

  1. Nome perdido

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 25 minutos.

Objetivo: Ver a importância de sermos conhecido pelo nome “Jesus chama cada um pelo nome”.

Material: Um crachá para cada pessoa do grupo e um saco ou caixa de papelão para colocar todos os crachás.

Descrição: O coordenador devera recolher todos os crachás colocar no saco ou na caixa; misturar bem todos estes crachás, depõe dê um crachá para cada pessoa. Esta deverá encontrar o verdadeiro dono do crachá, em 1 minuto.

Ao final desse tempo, quem estiver ainda sem crachá ou com o crachá errado, azar! Porque terá que pagar uma prenda.

Palavra de Deus:

17 – Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe. Apocalipse 2:17

  1. Três Misturas

Participantes: Indefinido.

Tempo estimado: 20 minutos.

Material: Três copos com água, um monte de areia, um pouco de óleo de cozinha e um pouco de vinho ou refresco vermelho.

Descrição: colocar no chão ou sobre uma mesa três copos com água. No primeiro pedir para alguém misturar algumas gotas de óleo.

No segundo copo alguém colocará um pouco de areia.

No terceiro copo colocará um pouco de vinho.

-O coordenador deve pedir aos participantes dizerem o que observaram. Pedir para comparar os copos com a comunidade, o grupo e as misturas com os diferentes tipos de pessoas. O que significam?

Se não se mistura, então também não devemos misturar santo com profano.

Palavra de Deus:

22 – Abstende-vos de toda a aparência do mal. I Tessalonicenses 5:22

  1. Quem é você?

Participantes: Indeterminado

Material: Uma venda

Descrição: Tira uma pessoa do grupo, escolhe alguém, todos ficam em silêncio. Volta a pessoa no grupo com os olhos vendados, ele deverá tocar no rosto da pessoa escolhida e dizer quem ela é, tendo no máximo 3 tentativas.

Objetivo: Fazer o grupo refletir, será que conhecemos mesmo as pessoas? Temos visto nossos irmãos, mais o que conhecemos deles, se não conhecemos uns aos outros como podemos nos ajudar?

Palavra de Deus:

32 – E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32

  1. O embrulho

Participantes: Indefinido

Material: 3 caixas, cada caixa deve ser embrulhada de tal forma que fique:

Uma Caixa bem embrulhada com papel bonito e de boa aparência, não havendo nada dentro.

Uma Caixa com aparência média, encapada com revista. Dentro dela haverá 3 balinhas

Um jornal amassado e dentro dela haverá 3 bombons.

Descrição: Ninguém pode tocar nos embrulhos e deverá escrever num papel o que acha que tem dentro de cada embrulho. quem acertar ganha um bombom.

Objetivo: Mostrar que não devemos julgar pela aparência mais pela reta justiça de Deus, que conhece o interior de cada um.

Palavra de Deus:

24 – Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça. João 7:24

  1. Ola eu sou…

Participantes: Indefinido

Material: Crachás e caixa de papelão

Descrição: Cada um pega seu crachá e escreve seu nome. Depois devolve seu crachá ao coordenador que deverá colocar os crachás numa caixa de papelão, misturar bem. Depois um por um deve pegar um crachá aleatoriamente, ler o nome perguntar quem é. Depois levar até a pessoa o crachá e se apresentar a ele, dizendo:

  1. Quem é.
  2. Aonde mora
  3. Como é sua família
  4. quais seus sonhos
  5. o que ele espera deste encontro.

Objetivo: Quebrar o gelo e facilitar o conhecimento do grupo.

Palavra de Deus:

15 – Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? Mateus 16:15

Sobre Pastor Júlio Fonseca

Meu nome é Júlio Fonseca sou Pastor da Igreja de Deus no Brasil na pequena cidade de Anhanguera/Go. Usando a internet para levar a palavra de Deus a todos. Com paz, amor e respeito.
Compartilhe no Facebook

Um comentário

  1. A paz do Senhor pastor achei bem legal as idéias de dinâmicas, isso me ajudou bastante.

    Deus abençoe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*